Região Norte
Economia
Turismo
Cultura
Clima-Vegetação
Fale Conosco
Mapa do Site

Economia da Região Norte do Brasil



Economia da Região Norte do Brasil
  regiao-norte Como não poderia deixar de ser, a economia da Região Norte está intimamente ligada ao seu grande potencial natural. As principais atividades são: agropecuária, pecuária, o extrativismo mineral e animal, a exploração industrial e a exploração turísticas das belezas que essa terra contém. O Produto Interno Bruto (PIB) de toda a região representa, apenas, em torno de 5 %, segundo dados do IBGE, no ano de 2007. O Pará é o estado com maior PIB da região, seguido de Amazonas e Rondônia. Tocantins, Amapá, Acre e Roraima completam a lista nessa ordem.

    Já na avaliação das cidades, Manaus-AM é a cidade com maior PIB; em segundo lugar está Belém-PA; terceiro, Porto Velho-RO e Macapá-AP em quarto lugar, segundo a pesquisa do IBGE, do ano de 2007. Manaus leva vantagem sobre as outras cidades nesse quesito pela existência da Zona Franca. Essa região é um centro financeiro que foi criada em 1967 pelo governo do Brasil para se tornar um polo de industrialização naquele ponto.

    De fato, a Zona Franca de Manaus, criada pelo Presidente Castelo Branco, se tornou um local bastante visitado por estrangeiros e brasileiros para aproveitar das ótimas condições de compra que ela oferece. Essas “ótimas condições” são possíveis porque é uma área onde não se cobram impostos sobre mercadorias compradas no exterior; logo, mais baratas do que no resto do país. No entanto, seu aspecto mais forte é o polo industrial: são mais de 450 de indústrias que atuam nessa região. A explicação para tantas indústrias terem escolhido a Zona Franca de Manaus é justamente a facilidade de compra: não tendo impostos para produtos do exterior, comprar peças para montagem de aparelhos fica bem mais barato. Essas facilidades de exportação já foram maiores, mas cortadas na década de 80, para a proteção de empresas nacionais. Mesmo assim a industrialização e o turismo são atividades exploradas pela economia.

    A agricultura, junto da pecuária, são pilares importantes na construção da economia da região norte. No entanto, são duas atividades que motivam desmatamentos, o que é bastante negativo em qualquer parte do mundo e ainda mais na Floresta Amazônica, principal floresta do mundo. Na agricultura, o destaque da região é o estado de Rondônia. Especialmente no início da década de 70, o estado começou a ter uma cultura de grande plantio de diferentes coisas. O reflexo disso é a grande importância, em nível nacional, que o estado tem para a produção de: café, milho, mandioca, soja, cacau feijão e até mesmo uva (fruta característica de lugares com temperaturas mais baixas).

    Já na pecuária, o segmento de criação de bovinos é a principal vertente da região Norte.  Três estados, em especial, concentram a criação desses animais: Pará, Rondônia e Tocantins. No ano de 2008, por exemplo, Rondônia foi o quinto estado que mais exportou carne no Brasil. Outro estado com boa cultura pecuária é Roraima, que tem o maior rebanho de búfalos do país. A pecuária também permite que se explore a produção de, por exemplo, leite. Nesse quesito, Pará, Rondônia e Tocantins voltam a figurar os três primeiros lugares como os três maiores produtores de leite da região Norte.

    Uma área que historicamente foi bastante explorada nessa região foi o extrativismo. Principalmente o vegetal, por meio da retirada de látéx da seringueira, extração de açaí, madeira, castanha-do-pará e outros. Essa atividade tem decrescido ao logo dos anos: pesar de ainda produzir bastante borracha partir das seringueiras e da grande produção de madeira que ainda existe na região, essas atividades não têm a mesma importância que tiveram, por exemplo, no século XX.

    Além do extrativismo vegetal, o extrativismo animal e mineral também tem participação na economia da região. A mineral se baseia na exploração de metais (como ouro e alumínio) diamantes e também minerais fósseis (gás natural e petróleo) . O extrativismo animal se baseia na pecuária e também pela caça e pesca. É uma atividade que é bastante explorada pela grande variedade de animais que existe na floresta Amazônica.

    Ainda há o ramo de produção de energia. É um setor tímido perto de outras atividades dessa região. Isso porque, apesar de ter muitos rios, a geografia desse lugar não facilita a produção “hidrelétrica”. Apesar disso existem as hidrelétricas como a Tucuruí (PA),  Curuá-Una (PA), Balbinas (AM), Samuel (RO), Coroaci Nunes (AP), Estreito (TO), Cana Brava (TO), Serra da mesa (TO), Peixe Angical (TO) e ainda outras que estão sendo projetadas.